O tempo cura, mas também mata


(...)

“Tempo é o melhor remédio” (paro e penso - mas que irônico!)
Pra mim ele é um veneno que mata lentamente sem piedade.
Quando se tem uma doença que não é tratada de forma correta, o tempo se torna um veneno fatal.
As dores vão aumentando. Quanto maior a ferida, mais difícil fica o processo de cicatrização.
O tempo é meu maior inimigo.

O amor nunca me amou.
A esperança me roubou.
O ódio sempre me odiou.
O tempo me sufocou.
A solidão me abraçou
A morte me matou.

Somos arquitetos de nossas vidas, construímos e destruímos.
Aos poucos fui construindo sentimentos, carinho, respeito, admiração e na medida em que o tempo passava mais a construção avançava. Até que um dia veio uma forte tempestade e abalou tudo aquilo que construí com tanta dedicação e intensidade.
Em questão de minutos vi tudo indo de água a baixo.
Eu estava em meio a uma enchente. Vendo tudo aquilo ir embora junto as águas violentas. O que eu podia fazer?! Me diz!!  A correnteza não perdoava, ela só queria me destruir. Por muito tempo me senti perdida e desolada.

Fracasso!

 Assim que nos sentimos. Impotentes.

O tempo continua passando.....

Apesar dessa escuridão que hoje me cerca, apesar de ter sido roubada toda minha esperança, eu não estou sozinha. Eu nunca estou sozinha, você nunca estará sozinho.(a)!
Em uma noite de trevas e escuridão eu fiz algo que não deveria. Eu o matei.
Fui assassina de meus sentimentos...
E hoje a solidão me tem como sua prisioneira.