(Diálogo) [ a menina sem qualidades]



Eu costuma dizer que o direito era uma sala da qual a justiça jamais entrava, eu ainda era jovem , eu não entendia nada  e mesmo assim eu tinha razão. Que valor tem a verdade se ela não nos deixa em condição de fazer um julgamento? O direito é constituído por Leis, escritas com palavras e palavras podem ser muitas coisas, mas com certeza elas não são justas. Pra se tonar aplicável o direito precisa de um intermediário entre a palavra e o mundo. Em caso de duvida nada mais me resta a fazer a não se investigar por dentro de mim mesma, e o que eu encontro em minhas investigações por dentro? Uma rede de noções a cerca do que seria bom e o que seria mal.
Uma bela quantia de bíblia.. pouco importa se a gente é crente ou não..
Os contos de fada dos irmãos Green, pouco importa se a gente os leu ou não
Freud, o socialismo, a dor.. Além disso a consciência de que tudo muda e de que a gente pode compreender o presente tão pouco quanto uma engrenagem pode conhecer a maquina dentro da qual gira.

Nesse lodo ético ancestral, o juiz tem que confiar de que através de sua cabeça quem fala é a historia da humanidade. Se nos limitamos a lamentar e  chorar o vazio surgido a vida passara por cima dessa lacuna com suas longas pernas e construirá pra si pontes de legalidades onde o material de construção chama-se pragmatismo.  O problema não consiste no fato de homens gostarem de fazer coisas cruéis, mas sim no fato da crueldade ser algo tão simples.  E o que funciona bem e com sucesso hoje me dia é considerado bom. Por tanto o pragmatismo subdivide homens e suas ideias segundo a sua capacidade funcional.. ele faz com que todos se lancem uns sobre os outros e coroa o vencedor como bom.  Nisso ele atende ao mais antigo e ao mais primitivo dos instintos, o instinto das selvas. A natureza é pragmática, todos os animais são pragmáticos, o homem é só um animal onde suas ideias se acabam. O pragmatismo substituiu todo o que no passado as grandes ideias podiam nos oferecer.  

[a menina sem qualidades]